ISIN, Ticker, MIC e ICB

Após a admissão de um título de dívida ou de capital, a comunidade de investidores deve poder identificar o título admitido.

Com esse propósito criámos símbolos de negociação (tickers) e códigos ISIN.

Símbolos de negociação

O símbolo de negociação (ou ticker) é uma série de caracteres, muitas vezes visto como uma
abreviatura / acrónimo, que representa um título, uma opção, um fundo mútuo, ou quaisquer outros valores mobiliários transacionados em bolsa. No universo Euronext de cotação e negociação, o ticker é constituído por uma série de no mínimo dois e no máximo cinco caracteres (letras, algarismos e / ou excecionalmente sinais matemáticos), sem espaços nem símbolos especiais. Um símbolo de negociação permite que os valores mobiliários sejam convenientemente listados no quadro de uma bolsa de valores e constitui uma referência útil para os traders e para os investidores.

Para uma empresa cotada num mercado regulamentado da Euronext, o símbolo de negociação reservado pela Euronext é comunicado à Thomson Reuters e à Bloomberg para que novos valores mobiliários a admitir à cotação recebam o mesmo ticker para o mesmo emitente e / ou o mesmo valor mobiliário, o que garante a consistência da informação de negociação.

Para uma empresa a ser cotada na Euronext não há nenhuma exigência específica de prefixo: a empresa pode escolher qualquer símbolo de negociação constituído por dois a cinco caracteres, desde que não esteja a ser utilizado por outro emitente / valor mobiliário.

Código ISIN

O sistema International Securities Identification Numbering (ISIN) é um padrão internacional estabelecido pela International Organization for Standardization (ISO). É utilizado para a codificação de valores mobiliários específicos, como ações, obrigações, opções e futuros. Os códigos ISIN são administrados por uma agência nacional de codificação (ANA) em cada país, e funcionam como números de série para esses valores mobiliários.

Os códigos ISIN são constituídos por 12 (doze) carateres alfanuméricos no total, e são estruturados de modo a compreender o código do país de cotação do valor, o número de identificação do valor específico e um caráter final que funciona como chave de controlo. Os dois primeiros dígitos são reservados para o país de origem do valor (a sede da empresa emitente), por exemplo "NL" para a Holanda, "BE" para a Bélgica, "FR" para a França. O segundo grupo, constituído por nove carateres, é reservado para o número de identificação do valor. O dígito final, designado como "dígito de controlo", garante a autenticidade do código e destina-se a evitar erros.

O Código ISIN é definido pela competente central de depósito de títulos. Para os emitentes com sede em França ou na Holanda, os códigos ISIN são criados e geradas pela Euroclear France e pela Euroclear Nederland respetivamente. Para os emitentes com sede em Portugal, os códigos ISIN são definidos pela Interbolsa. Para os emitentes estabelecidos na Bélgica os códigos ISIN serão gerados pela Euronext Bruxelas (para os títulos cotados) ou pela Six Telekurs Bélgica (para títulos não cotados).

O código ISIN faz parte da informação a ser comunicada- ao público e está incluído nos Avisos de Eventos Corporativos (comunicação escrita emitida pela Euronext para os membros ou emitentes para efeitos da interpretação ou implementação do Livro das Regras), divulgados pela Euronext. Este código permite que o público identifique negociação linha de negociação dos títulos.

Código MIC

Muitos bancos e corretores necessitam de identificar os valores mobiliários em várias bolsas. Para isso, utilizam um código identificador do mercado (market identifier code – MIC), composto segundo as normas ISO 10383.

Esta norma internacional especifica um método universal de identificação de bolsas de valores, de plataformas de negociação, de mercados regulamentados ou não regulamentados, e de estruturação da prestação de informação sobre as transações, como fontes de preços e informações relacionadas, a fim de facilitar o processamento automatizado.

A lista completa de códigos MIC e os formulários de candidatura estão disponíveis através de:

www.swift.com
www.iso15022.org

Classificação ICB

Como os investidores, por vezes, fazem investimentos segundo uma abordagem setorial, utilizamos classificações ICB para identificar os valores mobiliários do mesmo setor.

A classificação ICB (Industry Classification Benchmark) é uma classificação internacional padrão de setores desenvolvida pelas firmas FTSE e Dow Jones.

Esta classificação proporciona uma estrutura completa e detalhada para a análise setorial, facilitando assim as comparações entre empresas do mesmo setor ou subsetor, e entre países. Os investidores podem utilizá-la para identificar os valores mobiliários de acordo com a hierarquia ICB, desagregada em dez indústrias, 19 super-setores, 41 setores e 114 subsetores.

A classificação ICB vai ao encontro das necessidades dos investidores que pretendem ter acesso a um sistema para classificarem as empresas com base em definições claras e transparentes de setores de atividade. Esta nomenclatura mantém os investidores a par da evolução económica recente e permite classificar as empresas com maior rigor em função da sua atividade. Tem ainda em consideração a criação de novas indústrias e setores de atividade, especialmente no domínio das novas tecnologias.

A cada nova empresa emitente a ser cotada em algum dos mercados organizados pela Euronext é atribuído um código ICB.

É possível uma empresa alterar a sua classificação ICB?

Se o negócio de uma empresa mudar, como resultado de novas aquisições ou da cessação de uma atividade, por exemplo, a Euronext pode solicitar uma reclassificação à ICB, por sua própria iniciativa ou a pedido da empresa.